Quinta, 06 de Maio de 2021 16:29
44 99988-4455
Agricultura Paraná

Produção de rosas como atividade agrícola é destaque no Boletim Agropecuário

Documento preparado pelo Departamento de Economia Rural, da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, mostra que o Dia das Mães é a principal d...

30/04/2021 15h20 Atualizada há 6 dias
137
Por: Redação Fonte: Secom Paraná
© CEASA
© CEASA

O Dia das Mães, comemorado no segundo domingo de maio, é a principal data para o comércio de flores. E, entre elas, a rosa é a preferida. A produção dessa flor como atividade agrícola é um dos temas do Boletim de Conjuntura Agropecuária, elaborado pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria estadual da Agricultura e do Abastecimento, referente à semana de 24 a 30 de abril.

O consumo de flores e plantas ornamentais no Brasil normalmente está ligado a datas específicas. Um levantamento do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor) mostra que o Dia das Mães lidera com 16% do comércio. É seguido pelo Natal, com 12%; Dia Internacional da Mulher e Dia dos Namorados, com 8%; Ano-Novo, que concentra 5% do negócio, e Finados, com 4%, entre outras.

Em relação às espécies mais apreciadas pelos brasileiros para presentear as mães, um estudo da Hórtica Consultoria e do Sindicato das Flores de São Paulo, feito em 2014, apontou as rosas, com 41% das preferências, bem à frente das segundas colocadas, as orquídeas e as flores envasadas, que são opção para 17% dos entrevistados. Logo depois, vêm as cestas com flores diversas, como opção para 10% dos consumidores. 

No Paraná, a floricultura gerou um Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de R$ 170,1 milhões em 2019. Desse montante, as rosas participaram com 3,3%, somando R$ 5,6 milhões. No Estado foram produzidas 606,7 mil dúzias de rosas naquele ano.

Os roseirais prosperam, principalmente, na região de Maringá, que responde por 93,2% da produção estadual. O grande destaque é o município de Marialva, com 82,4% do montante geral. Somente nessa região do Noroeste paranaense foram extraídas 565,6 mil dúzias de rosas, que geraram renda bruta de R$ 5,3 milhões.

FEIJÃO E MANDIOCA– A estimativa de área produtiva de feijão é de 252,1 mil hectares no Estado, 12% maior que a safra passada, de acordo com levantamento do Deral. O volume pode chegar a 394,1 mil toneladas, o que representaria aumento de 47% em relação ao ano anterior. A colheita atingiu, até esta semana, 3% da área total.

Como na semana anterior, nesta também ficou praticamente paralisada a colheita da mandioca, devido ao solo seco e endurecido. Com isso, já se observa muita perda de raízes, com consequente elevação no custo de produção e menor oferta de matéria-prima para as indústrias.

LÁCTEOS E MEL –O boletim registra, ainda, o crescimento de 61% na importação de lácteos pelo Brasil, em comparação com o primeiro trimestre de 2020. Por outro lado, as exportações aumentaram apenas 6%. Para os produtores, esse panorama é bastante prejudicial no que diz respeito à sustentação das cotações de preços.

Em relação à atividade da apicultura, no entanto, o cenário é diferente. No primeiro trimestre, houve crescimento de 83,7% na exportação de melin natura, com o envio de 13,7 mil toneladas para o exterior. O Paraná destacou-se como o segundo maior exportador, com 3.286 toneladas, aumento de 51,6% em relação ao mesmo período de 2020.

OUTROS PRODUTOS –O documento preparado pelos técnicos do Deral faz um breve relato sobre o plantio quase total da segunda safra de batata. Sobre os grãos, registra que as condições climáticas afetaram negativamente a produção de soja, com quebra de quase 4% em relação à previsão inicial da primeira safra.

Do milho, as informações são de que a segunda safra sentiu os mesmos efeitos negativos e a redução está estimada, neste momento, em 16%. Já para o trigo, a projeção é otimista, com possibilidade de crescimento na área de 3% em relação à safra anterior, quando foram plantados 1,12 milhão de hectares.

TRIGO E MILHO– O documento apresenta, também, uma análise sobre os preços de trigo e milho. No caso do trigo, após retração em março, houve uma forte reação de mais de 10% na Bolsa de Chicago. Isso se deve à expectativa de maior demanda e tem ligação com a valorização do milho, que também pode ter reduzida a oferta mundial.

No Paraná, o preço dos dois cereais era o mesmo em diversas praças em março – R$ 84,00. Agora, a saca de trigo teve alta de 6%, passando a R$ 88,99 nesta quinta-feira (22), enquanto a do milho saltou o dobro e atingiu R$ 93,70. A maior valorização no preço estimula também a ampliação na área dos dois produtos no Estado.

OUTROS PRODUTOS– Em relação à soja, o boletim registra que a colheita da safra 2020/21 está praticamente finalizada e os preços se mantêm em patamares superiores aos do ano passado. Há, ainda, uma avaliação sobre a cultura da cenoura, que é um dos principais produtos da olericultura paranaense, com produção média de 95,8 mil toneladas nos últimos cinco anos.

Na pecuária, o documento tece comentários sobre as cotações da arroba bovina, que estão em níveis elevados, com aumento de 52,5% em março de 2021 comparativamente a março de 2020. Essa elevação também é observada no varejo. Sobre os ovos, a informação é, igualmente, de alta tanto ao produtor, quanto no atacado e varejo.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Maripá - PR
Atualizado às 16h15 - Fonte: Climatempo
15°
Chuva

Mín. Máx. 15°

15° Sensação
20.6 km/h Vento
77.1% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (07/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 19°

Geada
Sábado (08/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 22°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias